domingo, 12 de setembro de 2010

A Industria, o comércio e a produção em Rio Vargedo

Rio Vargedo, era um grande produtor de farinha de mandioca, derivados de suínos, madeira serrada, etc.. Muita madeira foram derrubada nas matas de Rio Vargedo e aqui mesmo foram serradas nas serras-fitas que aqui existiam. Isso lá pelas décadas de 1920, 1930... Eram vários engenhos de farinha de madioca, muitas toneladas de mandioca eram colhidas nas terras de Rio Vargedo, e aqui mesmo transformava-se numa quantidade enorme de farinha,  que alem dos excessos de produção que eram vendidos para as fecularias de outras localidades, grande parte da nossa farinha ia para outros centros de consumos, como Rio de Janeiro, transportava-se de carros-de-bois de Rio Vargedo até a estação de trem na Vila de Morro da Fumaça, dalí até o Porto de Laguna ou Imbituba. Isso durou por muitos anos. A produção de farinha era sofrida.  Era tudo no muque e a bois. Sem energia elétrica.

De tudo se produzia na colônia de Rio Vargedo. Depois da farinha de mandioca vinha a criação de suínos. O maior produtor de suínos em Rio Vargedo era o Sr. José "Giuseppe" Salvan, o Zé Totonella. Vendia toda a sua produção para a Casa de Banha Fumacense, na Vila de Morro da Fumaça.

A nossa carne de porco ia para o Rio de Janeiro. De Rio Vargedo, dentro dos balaios de taquara, levada a bois, via Santa Apolônia seguia para a Vila de Morro da Fumaça ou para o Porto de lanchas, na Barranca, Morro Grande (Hoje Morro Azul). Dalí seguia nas canoas a remo e a vela até Laguna, embarcada no navio Rumo ao Rio de Janeiro.

Emílio Salvan, era proprietário de uma grande madeireira, uma serra-fita, tocada a água.


Vendeu para o Sr. João Sartor, onde até hoje funciona, o único e moderno engenho de farinha de Rio Vargedo.
Engenho de Farinha de Mandioca do Sr. João Sartor e família







Engenho de Farinha de Mandioca do Sr. João Sartor e família




Na década de 1930/40, os quatros irmãos: Júlio Emilio, João Emílio "Juanim", Humberto Salvan e Attilio Salvan, filhos de Emílio e Mália Salvan, construíram um engenho de farinha, na FAZENDA CAIPORA, que ficava onde o Sr. ATTILIO SALVAN construíu sua residência (Primeira em 1939 e a segunda em 1953), onde hoje é o Bairro SALVAN.

Em seguida a sociedade foi deixando de existir e novos engenhos foram sendo construídos. Júlio Emilio e João Emílio "Juanim" construíram outros engenhos próximo as suas moradas e tocavam a produção com seus filhos.   


RESIDENCIA E ENGENHO DE FARINHA DO
SR. ANDRE HERCÍLIO DA SILVA
EM RIO VARGEDO -  28 02 1975

Além do engenho do Sr. André Hercílio da Silva, a família Cesca também instalou um novo engenho e em seguida foi a vez da Família de Getúlio Fontana Burato e seus filhos.

Um dos engenho de farinha de mandioca, mais antigo que existiu em Rio Vargedo, pertencia à LÚCIO MANOEL MACHADO, nasceu em 13-12-1884, foi um dos primeiros moradores de Rio Vargedo. Construiu em 1905, com 21 anos de idade, solteiro, quando veio residir, sozinho, em Rio Vargedo (Linha Caipora e depois Sesmaria dos Medeiros). Comprou terras de Manézinho Patrício que havia comprado essas terras dos SALVANs, onde hoje reside o seu filho ANTONIO LÚCIO MACHADO e sua esposa a Senhora Dária Goulart Machado “Darinha”.
A primeira esposa de LÚCIO MANOEL MACHADO foi a Sra. MARIA ROSA ESPÍNDOLA MACHADO (Irmã de Gregório Espíndola).

Foi em 1937 que surgiu em Rio Vargedo a primeira OLARIA. Também dos quatros irmãos: Júlio Emilio, João Emílio "Juanim", Humberto Salvan e Attilio Salvan, filhos de Emílio e Mália Salvan, construíram a primeira olaria, que fabricavam telhas de barro, com produção tocada a bois. Em seguida passaram a produzir tijólos maciços.

Em 1953, os irmãos: Defendi, Otávio e Genor Salvan, constrói uma nova olaria. Tocada a motor diesel. Irmãos Salvan.
Telhas produzidas por Irmãos Salvan.
LOCALIDADE: Bairro RIO VARGEDO
                         Distrito de TREZE DE MAIO
                         Município de: TUBARÃO (SC)
Até o ano de 1950, toda a localidade de RIO VARGEDO chamava-se SESMARIA MEDEIROS e LINHA CAIPORA.
DA ESQUERDA PARA A DIREITA:
1ª CASA: RESIDÊNCIA NOVA DE ATÍLIO SALVAN CONSTRUÍDA ENTRE 1952-1953.
2ª CASA: RESIDÊNCIA VELHA DE ATÍLIO
3ª Garagem e Estufas de Fumo de Atílio Salvan
4ª Casas dos Empregados da Olaria Irmãos Salvan
5ª Olaria Irmãos Salvan, de Defendi, Otávo e Genor Salvan.

A Casa nova de Atílio Salvan, construída no ano de 1952 e 1953, pelo Pedreiro Sr. João
Scarpatto de Rio Comprudente e os serventes, Otávio e Defendi Salvan. Tijólos maciços feitos pela família Salvan. Atílio e Verônica foram residir nessa casa em 1953.


Em 1969, a Irmão Salvan, mudou a razão social para Olaria do Sul Ltda.
OLARIA DO SUL LTDA (1969)
Proprietários:
Otavio Salvan - Defendi Salvan - Genor Salvan
Rio Vargedo - Treze de Maio - SC


Depois em 1972, a Olaria do Sul passou-se a chamar de CETREMA - CERÂMICA TREZEMAIENSE LTDA.




Meu Pai, o Vereador Sr. Otávio Salvan
No início, a extração da argila, sempre em ambundância e disponível nos arredores das olarias, era feita braçal por empregados, utilizando-se picareta e pá, que exigia em média 10 a 12 horas de dedicação por dia. O trabalhador, sempre em empreitada semanal, extraia das barreiras a matéria-prima em quantidade suficiente para a fabricação de tijolos ou telhas. Das barreiras até o deposito, "tanque", na olaria, o transporte da argila era feito por carros-de-bois. 
 
Depósito da Argila - Cerâmica Cetrema Ltda - Rio Vargedo - Treze de Maio SC (1974)

Nas décadas de 50 e 60, passou o transporte da argila a ser feito por pequenos caminhões com carrocerias e ou caçambas de madeiras, sendo o carregamento ainda feito manual, "braçal". Em 1965, em Rio Vargedo a Olaria do Sul, de propriedade dos Irmãos Salvan´s (Defendi, Otávio e Genor Salvan) mecanizaram o transporte da argila. Defendi Salvan construiu uma linha de trilhos ferroviários, movimentada por motor a díesel, que fazia toda a locomoção da argila por troles com capacidades de 3,0m3, desde as barreiras até o deposito, "tanque", na olaria. A linha mestre dos trilhos, entre a olaria e a barreira principal, tinha uma extenção de 1,5km. Esta moderna mecanização, que o Empresário Defendi Salvan trouxe das minas de carvão foi uma atração na comunidade de Rio Vargedo até o ano de 1974, quando veio a enchente de março e carregou os trilhos.
Algumas olarias, já no início da década de 70, adquiriram o equipamento "escavadeira mecânica", peça hidráulica que se acoplava na parte traseira dos tratores agrícolas, transformando-os em uma "retroescavadeira" para usar na extração da argila, adquirindo também caminhões com caçambas basculantes para o transporte da argíla, desde as barreiras até o deposito, "tanque", na olaria.

Ceramica Cetrema 1974 - Deposito de argila - tanque
Em 1974, a Cerâmica Cetrema Ltda (antiga Olaria do Sul), o proprietário Empresário Sr Otávio Salvan, adquiriu uma retroescavadeira da marca CASE 580E, a primeira na região, e mais dois caminhões chevrolet equipados com caçambas basculantes para o transporte da argila.
Cerâmica Cetrema Ltda - Retroescavadeira da marca CASE 580E
Retroescavadeira da marca CASE 580E

A partir de 1975, a industria da cerâmica vermelha na região sul-catarinense, para dobrar a produção de tijólos e telhas, devido a necessidade de atender o mercado atrativo no Rio Grande Sul, busca por novos e modernos equipamentos cerâmicos para produzir com qualidade.
Maromba e equipamentos da Maquinas Cerâmica Morando de São Paulo - Ceramica Cetrema Ltda - Rio Vargedo - Treze de Maio (SC) 1975

Maromba e equipamentos da Maquinas Cerâmica Morando de São Paulo - Ceramica Cetrema Ltda - Rio Vargedo - Treze de Maio (SC) 1975

Maromba e equipamentos da Maquinas Cerâmica Morando de São Paulo - Ceramica Cetrema Ltda - Rio Vargedo - Treze de Maio (SC) 1975



Residência oferecida aos empregados
da Olaria do Sul e
Cerâmica Cetrema

Vista do Bairro Salvan em 1994
A esquerda a Cerâmica Cetrema e
acima vista-se a Cerâmica de
Zeferino Cesca e a acima a direita a
Cerâmica Jaime Cesca

Em 1970, Defendi Salvan constrói a Ceramica Salvana Ltda, que em 1976 passou a pertencer à Genor Salvan.
1989 - Cerâmica Treze de Maio Ltda, de
Genor Salvan
Antiga Cerâmica Salvana

Ao todo, no Rio Vargedo existiam 8 (oito) Olarias:
- Cerâmica Cetrema
- Cerâmica Rio - CERIO
- Cerâmica Sulina - Zezé Cesca
- Cerâmica Zeferino Cesca
- Cerâmica Jaime Cesca
- Olaria Cristo Rei
- Cerâmica Salvana
- Cerâmica Sartor (Atual Cerâmica Édison Salvan Burato).


O Bairro SALVAN, no Município de TREZE DE MAIO – SC
BAIRRO SALVAN desmembrado da localidade de Rio Vargedo no município de TREZE DE MAIO(SC), foi criado em 16-06-1980 através da Lei nº 010/1980 sancionado pela prefeita Srª AURICÉLIA MARIA LEMOS GHISI. Projeto de autoria do Vereador Sr. OTÁVIO SALVAN



Bairro Salvan 1997 - Rio Vargedo - Treze de Maio SC

Bairro Salvan 1997 - Rio Vargedo - Treze de Maio SC - Casarão dos Empregados da Cerâmica Cetrema

Bairro Salvan 1997 - Rio Vargedo - Treze de Maio SC - Lanchão

Bairro Salvan 1997 - Rio Vargedo - Treze de Maio SC - Campo de Futebol do Bairro

Bairro Salvan 1997 - Rio Vargedo - Treze de Maio SC

Bairro Salvan 1997 - Rio Vargedo - Treze de Maio SC - Campo de Futebol do Bairro
Bairro Salvan - Rio Vargedo - 11-2007

Fonte/fotos/pesquisas: Roque Salvan - roquesalvan@gmail.com

A educação na comunidade de Rio Vargedo - O 2° grau

O início das aulas, a educação, em nossa comunidade de Rio Vargedo, que não era diferente das demais, tinha aula somente até a 3ª série. O terceiro ano. Ainda que em cada residência, a cada dois filhos somente um ia para a aula. Em seguida veio o 4º ano.
Os alunos que desejavam dar continuidade aos seus estudos, eram convidados a freqüentar, novamente  a 4ª série, ou para muitos diziam que era um 5º ano forte.
Muitos alunos deram continuidade aos seus estudos, foram estudar no Colégio Princesa Isabel em Morro da Fumaça,

Colégio Monsenhor Bernardo Peters ou no Educandário São José em Treze de Maio
EDUCANDÁRIO SÃO JOSÉ - TREZE DE MAIO - SC - Em 05-08-2007
Atual Centro Pastoral
e, outros para Colégios em Criciuma, que foi o meu caso, e uma grande maioria seguiam para o Colégio Maria Santíssima Dispensadora de Todas as Graças, o colégio das Irmãs em Morro da Fumaça.

O povo da Cidade de Morro da Fumaça, SC, construíram a partir de 1959, com o Padre Francisco “Chiquinho”Korner,  o COLÉGIO-CONVENTO MARIA SANTÍSSIMA DISPENSADORA DE TODAS AS GRAÇAS, para as irmãs, gratuitamente. Muitas famílias de Rio Vargedo contribuíram também na construção deste Colégio.
O Colégio encerrou as atividades em Morro da Fumaça – SC no dia 20-12-1975.
Quem estudou no colégio das Irmãs em Morro da Fumaça, lembra-se das irmãs:





COLÉGIO-CONVENTO
MARIA SANTÍSSIMA DISPENSADORA DE TODAS A GRAÇA
 A partir do ano de 1957, começa os preparativos diocesanos para a vinda do primeiro Padre para o Distrito de Morro da Fumaça.  Vindo de APUCARANA no Estado do Paraná, Padre Francisco Korner “Pe. Chiquinho, um Austríaco, trás com ele as freiras do “Reino de Maria”: Madre Maria Gertrudes (Maria Hauke, Freira também vinda da Áustria), Irmã Maria Nazaré, Irmã Verônica, entre outras).  A chegada do Padre Vigário foi uma beleza felliniana como as “Noites de Cabíria”. De um caminhão, desceram o novo vigário, a madre fundadora do Reino de Maria, umas noviças, duas vacas holandesas e muitas galinhas. (Padre Claudino Biff, 1988).
Padre Francisco Korner,  alem da Igreja, nos quatro anos de pastoreio,  junto com o povo, construiu o COLÉGIO-CONVENTO MARIA SANTÍSSIMA DISPENSADORA DE TODAS A GRAÇA, para as irmãs, gratuitamente. Em janeiro de 1962, Padre Chiquinho é transferido para a Comunidade de Santana em Urussanga-SC e em seguida transfere-se para a Cidade de Juiz de Fora nas Minas Gerais. Na casa dos oitenta anos, voltou para Viena onde era confessor de uma Igreja. Veio a falecer em 1995 na Áustria. Madre Maria Gertrudes (Maria Hauke), Irmã Maria Nazaré  e  as demais freiras,  após 15 anos residindo  e  lecionando  em Morro da Fumaça,  encerraram as atividades do colégio no dia 20-12-1975, sendo que em janeiro de 1976 foram embora para Buenos Aires na Argentina,  atualmente (abril/2010),  encontrei a Madre Maria Gertrudes  e  a  Irmã Maria Nazaré  em Florianópolis - SC, onde residem desde 1994. Hoje pertencem a Congregação Carmelitas Missionárias Teresianas, fundada pelo Beato FRANCISCO PALAU Y QUER da OCD.
Madre Maria Gertrudes, nasceu em Viena - Áustria, em 26-06-1918, filha de Rudolfo e Joana Hauke. Em 1938, devido a guerra nasista,  veio para o Brasil, para a Cidade de Itajú no interior de São Paulo e em seguida foi para a Cidade de Apucarana-PR, onde encontrou o Padre Francisco Korner e juntos com as Irmãs do Reino de Maria vieram para Morro da Fumaça em 1957.
Irmã Maria Nazaré, nasceu no dia 25-08-1918 em Natividade da Serra no Estado de São Paulo. Filha de José Fernandes de Souza e Maria Emilia Fernandes de Souza.
Agora em Maio de 2010, visitei as irmãs em sua residência. As duas estavam com 94 anos de idade. Seus endereços:
IRMÃ MADRE MARIA HAUKE e IRMÃ NAZARE – (48) 3244-1150
RUA SÃO CRISTOVAO, 314 – COQUEIROS – 88.080-320 – FLORIANOPOLIS - SC 


Fontes/fotos/pesquisas: Roque Salvan
Copyright © 2007 – Roque Salvan